Desigualdade social

20-dezembro Espiritual

“O que oprime ao pobre insulta aquele que o criou, mas a este honra o que se compadece do necessitado.”  Pv 14.31

O brasileiro não imagina o tamanho da desigualdade social que existe em nossa nação. Cada vez mais o nosso país tem uma concentração de renda absurda na mão de uma minoria da população, isso é desigualdade social. Esse problema acontece por causa da corrupção, do desemprego e da falta de investimento em educação entre outros problemas, mas a principal causa que provoca a desigualdade social se origina na ganância humana, no amor ao dinheiro.

Uma grande preocupação dos profetas menores foi com as injustiças que prevaleciam na sociedade: “visto que pisais o pobre, e dele exigis tributo de trigo” (Am 5.11); “Porque sei serem muitas as vossas transgressões e graves os vossos pecados; afligis o justo, tomais suborno e rejeitais os necessitados na porta.” (Am 5.12); “procedendo dolosamente com balanças enganosas, para comprarmos os pobres por dinheiro, e os necessitados por um par de sandálias” (Am 8.5-6).

Nós vivemos em um mundo onde há muita injustiça, onde o ímpio é aplaudido e condecorado, onde os tribunais são corrompidos, onde o patrão explora o funcionário, um mundo de injustiças e desigualdade social, um mundo onde as pessoas não têm fome e sede de justiça. O crente precisa ter fome e sede de justiça social, ele não se conforma com a desigualdade. Precisamos viver de fato e de verdade o segundo grande mandamento que Jesus nos ensinou: “O segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo.” (Mt 22.39).

Leonardo Batista van der Voort