Um ditado: “O que os olhos não veem, o coração não sente.”

06-novembro Espiritual

Pensar que nosso coração não sentiu o impacto que a COVID-19 causou na humanidade em 10 meses, é no mínimo estúpido. Um vírus que “os olhos não veem” matou milhões, atacou famílias e cingiu o nosso coração de sentimentos jamais cogitados em pleno século XXI. Definitivamente, a realidade deste ditado é uma farsa; o “coração sentiu”.

Mesmo assim, nossos dias com o Amado são desperdiçados ao sol do amanhecer por agirmos como se esse ditado fosse a nossa religião. Por mais que os cristãos aceitem a verdade de Cristo, nem todos estão dispostos a permanecer Nele. Passamos distraídos pelas belezas daqui e nos esquecemos para que viemos. Entorpecidos pela arte, pela cultura, pelo povo e seus costumes, os cristãos se perderam porque não tiveram “olhos para ver” onde estavam colocando seus corações.

Resultado: um coração abatido, sem rumo e sem sentido; emudecido e ensurdecido ao chamado de Deus no que diz respeito a manter os olhos espirituais abertos e o coração ativo para sentir e perceber o que Deus quer que façamos. E Ele quer seus filhos brilhem a luz do seu amor, para que o mundo saiba que fora Dele a fita não desenrola.

Voltemos nossos olhos para o Amado e para seus caminhos, pedindo ao Pai que nos dê a graça de fazer o nosso coração sentir todo o poder que sua palavra tem, toda vez que a lermos e a visualizarmos em nosso momento à sós, com Jesus.

Ponha seus olhos diante de Deus; com certeza seu coração baterá até levantar a camiseta.

Augusto José Lopes Neto