Vislumbres da eternidade

31-agosto Espiritual

Deslumbrados, acho que essa é uma palavra que nos define. Ficamos extasiados com a beleza, com o infinito, com o incompreensível. Ele parece nos atrair como a força da gravidade e contradiz todo medo, horror e feiuras desse mundo quebrado.

Acredito que todos ao verem uma bela paisagem, acreditem que nasceram para viver ali ou que foram arrancados desse lugar. Tentamos capturar através de fotografias, de cartões postais, de uma pequena concha ou qualquer coisa que nos faça lembrar que tocamos o paraíso e que faremos de tudo para retornarmos para lá.

O que é isso se não a saudade do Éden perdido e o desejo por um céu que ainda não conhecemos? A Bíblia me diz que todas as coisas foram feitas por Jesus e sem Ele nada do que foi feito se fez.

Tudo o que chamamos de bom, de excelente, de virtuoso está em plenitude numa pessoa. Sem Ele todas as belezas do universo, nos trazem o sentimento de deslocamento. Sem Ele somos lançados num mundo de vazios, desesperos e sem significados. Sendo lembrados a cada grande experiência que nada disso nos pertence e que fomos condenados a viver contemplando o paraíso, sem pertencermos a ele.

Rev. Jakstone de Cavalho Braga